segunda-feira, janeiro 30, 2012

A primeira Supernova de 2012: uma imagem antiga com 25 milhões de anos.

A primeira Supernova de 2012 na galáxia irregular ARP263 ou NGC3239 a 25 milhões de anos-luz é o resultado provável da colisão de duas outras galáxias.
 Imagem obtida em Ponta Delgada, a 30 de Janeiro pelas 21:00 UTC e resultante da integração de 15x45 segundos com uma Canon 350D,  modificada e um Celestron 203mm a f/10.
As condições meteo não eram das melhores com muita nebulosidade vinda do sul.
Ver mais AQUI


terça-feira, janeiro 24, 2012

Canon 350D modificada em 90 s exposição

Depois da M9

Depois da Ejeção de Massa Coronal verificada ontem, da classe M9, a região activa 1402 mostra-se completamente fragmentada mas com potencial para produzir mais algumas fulgurações. Notar a estrutura sigmoide de uma ponte de luz (na imagem feita na luz visível) e o aspecto na primeira emissão de hidrogénio (H-alfa) na imagem embutida.
Entretanto a comunicação social tem feito um autêntico "estardalhaço" em torno deste assunto, quando esta fulguração nem foi das mais potentes. Compreende-se que haja necessidade de financiamentos para determinados projectos... mas a indústria da comunicação de ciência nos EUA tem que ser mais moderada!

domingo, janeiro 22, 2012

Um Sol apimentado

Finalmente o disco solar apresenta-se de forma própria para a etapa que atravessa neste seu 24º Ciclo Solar. Depois de uma baixa prolongada de actividade, surgiram dois grupos de manchas solares, a 1402 e a 1401-1405 que teem ultimamente produzido algumas fulgurações das classe C e M.

sábado, janeiro 21, 2012

Curso de Astrofotografia


Astrofotografia ?

Como a própria designação impõe pela sua construção ortográfica (astro+fotografia) significa a técnica subjacente a fotografar os astros.
O que é que isso tem de especial para além da comum técnica de fotografar?
Sobretudo nos tempos que correm, fazer fotografia tornou-se acessível a qualquer um e nunca foi tão fácil como agora a obtenção de imagens. Poder-se-ia mesmo afirmar que o século XX foi o século da imagem.
Do Daguerrótipo em prata de 1839 à mais atualizada tecnologia de sensores CCD e CMOS (acrónimos respectivos de Charge Couple Device e Complementary Metal-Oxide- Semiconductor), foi um percurso imenso realizado num tempo recorde. Uma atividade que impunha técnicas operadas por especialistas, gerou a mais popular e expandida arte. Sim arte, porque o que permaneceu comum foi exactamente isso: ARTE, dado que o resto pertence ao reino sempre obscuro dos fundamentos das tecnologias.
Vamos, por ora, esquecer as complicadas técnicas e afirmar peremptoriamente que fazer astrofotografia é, apesar de tudo, simples e fácil.
Hoje em dia, e no espaço de tempo de uma dúzia de anos as câmaras digitais compactas com sensores CCD e CMOS, ocuparam o amplo mercado dos “gadgets” (geringonça, equipamento…) a preços considerados acessíveis a toda a gente, sobretudo se considerarmos os custos de fazer fotografia com filmes que só depois de revelados nos podiam mostrar a nossa “arte”.
Quando me iniciei na astrofotografia, eram poucas as orientações técnicas e poucos também aqueles que se dedicavam amadoristicamente ao assunto. Implicava sérios fundos de maneio financeiros que permitissem fazer face às incertezas na obtenção de fotografias de qualidade. A técnica utilizada para o “céu profundo”, conhecida como hipersensibilização de películas exigia muito material, conhecimento, técnica e sobretudo tempo disponível. Hipersensibilizar um filme a preto e branco Kodak Technical Pan 2415, poderia levar no mínimo 100 horas, se tudo corresse bem!

Recordar a década de setenta e oitenta do século passado, é o mesmo que falar em sensibilidades máximas ISO de 3600. Hoje, qualquer câmara digital atinge a dezena de milhar de ISO registando facilmente as tonalidades dos gases que compõem as nebulosas, galáxias, caudas de cometas, ejeções solares de massa coronal e até o trânsito de planetas extra-solares.
Com a Astrofotografia, todo um novo mundo de conhecimento se abriu perante o nosso espanto crescente.

Aquilo que pertencia ao reino de especialistas e aos grandes observatórios de alta tecnologia, está agora presente no meu quintal a um custo irrisório. Representa sobretudo o envolvimento do comum dos mortais em projectos de natureza científica e em colaboração Pro-Am (Profissional-Amador).
Se o século XX foi o século da imagem, o século XXI será o da democratização da cultura científica! A Astrofotografia antevê-se como uma das contribuintes.